Logotipo Allameda
Home Page Quem Somos Serviços Cases Clientes Contatos
 
 
22/02/2016
Prevenção contra fogo é fundamental para salvar museus brasileiros

Por Rogério Lin *

O fogo é traiçoeiro, muito rápido, age não apenas pela força das chamas mas também pela fumaça asfixiante e radiação que dá início a novos focos de incêndio. Depois que um foco começa, como o que ocorreu no Museu da Língua Portuguesa, o descontrole da situação pode acontecer em questão de minutos. Para ser mais preciso, menos de 5 minutos é tempo mais que suficiente para um desastre acontecer. A conclusão é do Laboratório UL (Underwriters Laboratories). Situado nos Estados Unidos, é importante centro de pesquisa responsável atualmente por estudos avançados sobre a diferença entre incêndios do passado e incêndios atuais. 

Um dos fatores mais interessantes identificados no estudo está no vídeo comparativo entre uma sala moderna (2009) e uma sala de 40 anos atrás, disponível para acesso em https://youtu.be/IEOmSN2LRq0

Na sala antiga, móveis à base de fibras naturais como enchimentos de algodão, tecidos de linho, cortinas em tecidos de seda, madeira maciça e tapetes de fibras de folhas secas naturais. Do outro lado, na sala moderna, abundância de materiais sintéticos como espumas de poliuretano expansíveis nos enchimentos dos sofás e poltronas, tecidos sintéticos de poliéster e vinil, pisos de carpete contendo polipropileno, cortinas de tecido blackout sintéticos e muitos equipamentos e eletrônicos construídos em plásticos. No experimento, deu-se início a um foco de incêndio em ambas as salas e a constatação foi alarmante: a sala moderna atingiu o flashover (ponto do incêndio generalizado, quando as chances de sobrevivência são nulas) em apenas 3 min e 40 seg, enquanto que na sala antiga o ponto de flashover demorou mais de 20 minutos para ocorrer.

O resultado nos remete ao que foi consumido de forma extremamente rápida durante o incêndio no Museu da Língua Portuguesa, onde o flashover ocorreu em menos de 2 minutos, tomando por completo a sala onde a exposição de redes e tecidos ocorria e vitimando o bombeiro civil Ronaldo Pereira da Cruz, asfixiado pela fumaça enquanto tentava combater as chamas.

O que é imperioso a ser feito, para proteção dos nossos museus, é atacar as causas de princípios de incêndio, evitando que materiais expostos, paredes, pisos e forros combustíveis propagem ainda mais as chamas e liberem fumaça de forma descontrolada. Atualmente, o mais adequado é realizar o tratamento antichamas em materiais como madeiras, tecidos e plásticos.

A grande questão, porém, permanece. Se o bombeiro civil tivesse 10 minutos, ao invés de apenas 2, teria tido tempo hábil para conectar a mangueira e combater o princípio de incêndio sem transtornos? Talvez até estivesse vivo, entre nós, como um herói.

* Rogério Lin é especialista em proteção passiva contra o fogo e atuante neste mercado há mais de nove anos. Graduado  em Administração de Empresas pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), com Pós Graduação pela Harvard Business School nos cursos de Organizações Internacionais e Economia Internacional, Rogério Lin é membro ativo do CB 24/SP (Comissão de Segurança Contra Incêndios organizada pela ABNT), Green Building Council Brasil para certificação de obras LEED, associado ao CBCA (Centro Brasileiro da Construçao em Aço) e diretor da CKC do Brasil (www.ckc.com.br). Membro da NFPA, é formado em PFP (Passive Fire Protection) pela Fire Service College-FPA, Moreton-in-Marsh, UK, dentre outras instituições de referência internacional. 


Compartilhar



Retornar
 
 
 
Artigos
Artigos de Clientes de Allameda, especialistas em várias áreas. A republicação é livre.
Releases
Acesso a todos os press-releases e informações chave de nossos clientes.
Fotos em alta
Fotos de produtos, executivos e instalações de clientes de assessoria de imprensa.

ALLAMEDA.COM | São Paulo | +55.11.97999-9923

(C) 2002 ~ 2019 Allameda.com Assessoria de Imprensa